Agende sua consulta (41) 4102-0215 | Whatsapp 99933-8586 Tratamento TDAH Curitiba
tdah como problema de saude cronico

TDAH pode se tornar um problema de saúde crônico

Nova pesquisa concluiu que 30% das crianças com déficit de atenção continuam apresentando o problema ao se tornarem adultas — e ainda têm um risco maior de sofrer outros transtornos psiquiátricos

Um extenso estudo americano concluiu que o transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) pode se tornar um “problema de saúde crônico” capaz ainda de aumentar o risco de uma criança vir a apresentar outros problemas psiquiátricos ao longo de sua vida. Segundo a pesquisa, o TDAH na infância persiste na vida adulta em quase 30% dos casos. E, além disso, dois terços das pessoas que tiveram o transtorno quando crianças, mesmo que deixem de apresentar o problema, sofrem alguma consequência negativa do TDAH ao se tornarem adultas.

Título original: Mortality, ADHD, andPsychosocialAdversity in AdultsWithChildhood ADHD: A ProspectiveStudy

Onde foi divulgada: periódico Pediatrics

Quem fez: William Barbaresi, Robert Colligan, Amy Weaver, Robert Voigt, Jill Killian e SlavicaKatusic

Instituição: Hospital Infantil de Boston, da Universidade Harvard, e Clínica Mayo, EUA

Dados de amostragem: 5.718 crianças nascidas em Minnesota entre 1977 e 1982

Resultado: Cerca de 30% das crianças com TDAH chegam à idade adulta ainda com o problema. Entre elas, 81% apresentam outro transtorno psiquiátrico durante a vida.

O trabalho, publicado nesta segunda-feira na revista médica Pediatrics, foi desenvolvida no Hospital Infantil de Boston, filiado à Universidade Harvard, em parceria com a Clínica Mayo, ambos nos Estados Unidos. Segundo os autores, trata-se do primeiro estudo em grande escala que olhou para os impactos do TDAH na infância e na vida adulta. A pesquisa analisou os dados de todas as crianças nascidas entre 1977 e 1982 na cidade americana de Rochester, em Minnesota – que, ao todo, foram 5.718 -, e acompanhou essas pessoas até elas terem, em média, 27 anos de idade.

A partir de informações da vida acadêmica e do histórico médico das crianças, os pesquisadores concluíram que, dos 5.718 jovens selecionados para o estudo, 367 tinham TDAH, sendo que 232 participaram de todas as fases da pesquisa. Dessas, 75% receberam tratamento para o transtorno.

Author Info

Redação

Nenhum Comentário

Publique seu Comentário